Home » Faculdades Doctum, Notícias

QUINTO PERIODO DO CURSO DE DIREITO DAS FACULDADES DOCTUM – TO, REALIZA SEMINARIO ACERCA DA LEI MARIA DA PENHA E DA NOVA LEI SOBRE DROGAS

20 de maio de 2009 1.960 visualizações 4 Comentários Imprimir este artigo Imprimir este artigo

Por Roberto Metzker Colares Pacheco

 

No dia 18 de maio de 2009, os alunos Bruna Ribeiro, Cássio Agostini, Ciomara Marques e Diana, bacharelandos do quinto período do curso de Direito das Faculdades Doctum – TO apresentaram um Seminário que tratava dos Institutos procedimentais e processuais da Lei Maria da Penha e da Nova Lei sobre Drogas.

Sancionada em agosto de 2006, a Lei Maria da Penha (nº 11.340) aumentou o rigor nas penas para agressões contra a mulher no lar, além de fornecer instrumentos para ajudar a coibir esse tipo de violência.

Cabe ressaltar que o nome da referida legislação não foi em vão, esse foi a contemplação à guerreira Maria da Penha Fernandes, que possui a seguinte historia:

“Maria da Penha Fernandes, sofreu duas tentativas de homicídio por parte do ex-marido. A primeira tentativa foi um tiro enquanto dormia, sendo que o agressor alegou que houve uma tentativa de roubo. Em decorrência do tiro, ficou paraplégica.  Na segunda, tentou eletrocutá-la, no momento que se banhava. Na ocasião, ela tinha 38 anos e três filhas, entre 6 e 2 anos de idade. A punição do agressor só veio 19 anos e 6 meses depois. O qual foi condenado a uma pena de 8 anos.”

Nesse contexto, a Lei Maria da Penha é um exemplo de ação afirmativa. Implementada no Brasil para a tutela do gênero feminino, justifica-se pela situação de vulnerabilidade e hipossuficiência em que se encontram as mulheres vítimas da violência doméstica e familiar.

Em 23 de agosto 2006 foi publicada a Lei Sobre Drogas, revogando expressamente os precedentes regramentos sobre drogas contidos nas leis 6.368/76 e 10.409/03 (art. 75 da nova Lei de Drogas). A nova lei teve um período de “vacatio legis” de 45 (quarenta e cinco) dias, entrando em vigor em

08 de outubro de 2006. A Lei de Drogas criou uma terceira via punitiva. Há agora três modelos de reação penal face ao cometimento de um crime: 1 – pena privativa de liberdade; 2 – penas alternativas; 3 – medidas educativas

Para tanto, efetivando a condução do Seminário, os referidos alunos promoveram todo o escopo histórico das duas leis em questão e, em seguida, apresentaram um estudo sistematizado de Artigos mais polêmicos, no âmbito hermenêutico e operacional (prático) das duas legislações debatidas, inclusive com jurisprudências do Supremo Tribunal Federal.

Abrilhantando o seminário, estiveram presentes, na condição de debatedores dos temas, O Juiz da 1ª Vara Criminal de Teófilo Otoni, Dr. Flávio Kretli, que realizou explanações que versavam sobre os aspectos constitucionais e inconstitucionais da lei Maria da Penha; destaca-se, ainda, que o Dr. Flávio Kretli além de relatar como vem se desenvolvendo a aplicação da referida na cidade de Teófilo Otoni, trouxe à baila, também, o entendimento do Tribunal de Justiça de Minas Gerais sobre o tema.

Corroborando com tema apresentado por Dr. Flávio Kretli, a Advogada Civilista Dr. Carolina Amorin, realizou uma brilhante explanação sobre o histórico da Lei Maria da Penha e suas implicações penais e cíveis. Ressalta-se, aqui o congruente entendimento hermenêutico e o Dr. Flávio e a Dr. Caroline Amorin, sobre os aspectos Constitucionais do referido dispositivo legal.

No que tange à Nova Lei Sobre Drogas, a fala foi proferida pelo Professor e Delagado da Divisão de Tóxicos e Entorpecentes Dr. Jéferson Botelho, que baseou sua fala no escopo histórico, o técnico-farmacológico (entendimento do que vem a ser droga) e, também, no processo hermenêutico do referido Instituto, inclusive no que diz respeito aos arts. 28 e 33, da atual legislação sobre drogas. Ressalta-se a análise do entendimento do renomado e ilustre professor Luiz Flávio Gomes:

“Ora, se legalmente (no Brasil) “crime” é a infração punida com reclusão ou detenção […] não há dúvida que a posse de droga para consumo pessoal (com a nova lei) deixou de ser “crime” porque as sanções impostas para essa conduta […] não conduzem a nenhum tipo de prisão.

Assumir uma postura de interpretação literal e cartesiana dos dizeres da lei de introdução – que é de 1941 –, esquecendo-se de trazer à baila outros elementos e conceitos sobre o que seja crime, nos parece estéril. Seria mais prudente e dessa maneira não há reparo a ser feito, afirmar que, sob a ótica do conceito legal de crime a lei de drogas destipificou a posse para uso pessoal porém, nunca, generalizar.”

Assim sendo, a opção por um modelo de Direito Penal racional, antes de ser uma ideologia utópica, representa respeito aos paradigmas traçados pela Carta Constitucional, galgando a efetivação de uma verdadeira justiça social e surgimento de um sistema penal que seja menos seletivo e que promova, efetivamente, o “Estado de Justiça Social”, de cuja base ideológica se extrai a estrita relevância da dignidade da pessoa humana, para que, parodiando Bettiol, “o Direito Penal não se transforme de instrumento de liberdade em instrumento de prevaricação e de opressão.”

Destarte, concluiu-se que trabalhos acadêmicos deste porte promovem o enriquecimento das questões cognitivas do universo jurídico, o salutar e oportuno debate acadêmico sobre temas relevantes que estão inseridos diuturnamente nas relações sociais do Estado brasileiro.

 

 

WhatsAppFacebookTwitterPinterestGoogle+

4 Comentarios »

  • Bruna Ribeiro, Cássio Agostini disse:

    Dr Jeferson, nós, integrantes deste grupo do seminário, vimos agradecer pela presença no nosso seminário, pela explanações apresentadas.
    Realmente são temas que merecem a atenção, e ficamos muito felizes por você está presente, ter nos deixdos ainda mais bem informados sobre o tema, e ter reservado um espaço no seu site pra colocar essa matéria.

    Temos você como exemplo, profissional, amigo, um grande mestre que com certeza estará sempre em nossas mentes e em nossos corações!
    Parabéns!

    Aproveitando também, agradecemos o Dr Flávio e a dra Carol, pelo apoio e pela presença. Com certeza também nao temos palavras pra falar de grandes mestres como vocês!

    Aproveitando o espaço, nao podemos deixar de agradecer também, ao nosso grande colega, ou melhor, grande amigo, o Roberto Metzker; pois esteve com o agente o tempo todo dando apoio, colaborando para nossa apresentação.

    A todos vocês os nosso sinceros agradecimentos.

    Bruna, Cássio, Ciomara e Diana.

  • Roberto Metzker disse:

    Dr. Jéferson, mais uma vez o senhor nos inspira nos estudos… nos inspira na argumentação eloquente… nos inspira a olharmos o Direito como um equilibrio de forças para promoção da harmonia social!!!
    Parabéns pelo seu brilhante trabalho; parabéns à Dr. Caroline Amorin e ao Dr. Flávio Kretli, aos quais externos elogios em plenitude!!!
    Em especial, meu sinceros parabéns ao grupo que organizou e apresentou o trabalho; pessoas que são sinônimo de organização e dedicação!!!
    PARABÉNS!!!…

  • Marlene Amorim Costa disse:

    Prezado Jeferson,

    Prefiro tratá-lo assim, pelo convívio em Novo Cruzeiro, de muita amizade, admiração, cordialidade e sinceridade, eu e meu marido (Dr. Carlos como é conhecido) sempre convivemos muito bem com você.
    Como pais de Carol, ficamos sempre orgulhosos ao poder admirá-la ministrando qualquer trabalho que lhe é confiado.
    Pelo “peso” da composição desta mesa, sei que ela se preparou muito bem para não envergonhá-los perante os alunos do quinto período de Direito. Sei também que ela é capaz, preparada e educada o bastante para estar falando em público em qualquer lugar que for convidada e sempre muito querida pelos alunos que tiveram oportunidade de estudar com ela.
    Espero que todos tenham aproveitado o que foi passado e que tenha sido um trabalho de contribuição ideal para os alunos presentes neste dia.
    PERDEU QUEM NÃO ESTAVA PRESENTE!
    Um até breve em meu nome e de Carlos.

  • Susiane disse:

    Muito interessante o debate e acho que seria muito construtivo para outros cursos que debates tão contextualizados como este, abrissem para que os alunos de psicologia tivessem a oportunidade de participar como ouvintes, já que somos da área do comportamento e comportamentos como estes, que levam a uma Lei específica para reprimí-los, são importantes para nossa formação profissional, para conhecermos os lados que permeiam tais atitudes.

    Parabenizo ao grupo, e ao autor deste texto…

Deixe um comentário!

Faça seu comentário abaixo, ou um trackback do seu site. Você também pode se cadastrar nesses comentários via RSS.

Seja simpático. Permaneça no assunto. Não faça spam.

Você pode usar essas tags HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

O Gravatar está ativado. Para ter sua imagem nos comentários, registre-se no Gravatar.