Home » Geral

Maconha no quartel Ex-soldado pede para que Supremo não aplique lei militar

22 de novembro de 2008 1.453 visualizações Nenhum Comentário Imprimir este artigo Imprimir este artigo

Maconha no quartel Ex-soldado pede para que Supremo não aplique lei militar

O pedido de vista do ministro Carlos Britto, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu o julgamento de pedido de Habeas Corpus de ex-soldado do Exército condenado a um ano de prisão pelo porte de 3,8g de maconha. A Defensoria Pública pede a aplicação do princípio da insignificância e da proporcionalidade porque o ex-soldado Cícero Anderson Ferreira tinha pequena quantidade da droga, suficiente apenas para o consumo pessoal. O flagrante aconteceu em 2005 no quartel onde cumpria serviço militar obrigatório.
Seis votos foram proferidos antes da interrupção do julgamento. Cinco ministros rejeitaram o pedido, inclusive a relatora, ministra Ellen Gracie. Apenas o ministro Eros Grau foi favorável ao réu. Ainda não votaram os ministros Carlos Britto, Cezar Peluso, Marco Aurélio, Celso de Mello e Gilmar Mendes.
No pedido de HC, o defensor frisou que o porte não representava perigo para a corporação e que ele não deveria ser preso por ser usuário agora que, expulso do Exército, ele é considerado civil. Cícero Ferreira aguarda o final do processo em liberdade.
O amparo legal para o argumento da defensoria é a Lei 11.343/06 (Lei de Tóxicos), que afasta a pena de prisão para os usuários não-traficantes da droga. No artigo 28, a norma prevê que o consumidor será submetido à advertência, prestação de serviços à comunidade e a curso educativo.
Conforme a defesa de Cícero Ferreira, a Lei de Tóxicos deveria ser aplicada ao caso, e não a Lei Penal Militar, que abriria caminho para “severa reprimenda corporal para os usuários de entorpecentes, quando na realidade deveria aplicar medidas socioeducativas para o usuário, uma pessoa doente que necessita de tratamento médico”.
A ministra Ellen Gracie julgou que o porte da droga, mesmo para consumo pessoal, é prejudicial e perigoso nas Forças Armadas. Ela considerou a possibilidade de um julgamento favorável ao réu fragilizar as instituições militares e lembrou que a lei de tóxicos não revogou o artigo 290 do Código Penal Militar, que tipifica o crime cometido pelo ex-soldado.
A ministra explicou que “condutas que podem teoricamente ser consideradas irrelevantes penais para o Direito Penal comum não o são para o militar, devido à necessidade de preservação da hierarquia e da disciplina militar”.
Além disso, ela levantou hipóteses nas quais o uso da maconha poderia, de fato, perturbar a ordem e o trabalho militar. Entre os exemplos citados pela ministra, estão os perigos de um usuário de droga manejar armas de alto poder ofensivo, de colocar em risco a segurança de uma tropa ou de exercer controle de vôos sob efeitos da substância.

HC 94.685

Revista Consultor Jurídico, 31 de outubro de 2008

WhatsAppFacebookTwitterPinterestGoogle+

Deixe um comentário!

Faça seu comentário abaixo, ou um trackback do seu site. Você também pode se cadastrar nesses comentários via RSS.

Seja simpático. Permaneça no assunto. Não faça spam.

Você pode usar essas tags HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

O Gravatar está ativado. Para ter sua imagem nos comentários, registre-se no Gravatar.