Home » Artigos Jurídicos

CARTA DE UM SUICIDA

11 de abril de 2007 2.331 visualizações 1 Comentario Imprimir este artigo Imprimir este artigo

CARTA DE UM SUICIDA

 

Junto ao corpo de um suicida, a Polícia encontrou a seguinte carta:

“Senhor Delegado, não culpe a ninguém pela minha morte. Deixo esta vida hoje, porque um dia a mais eu acabaria louco. Explico-lhe Senhor Delegado:

 

Tive a desgraça de casar-me com uma viúva a qual tinha uma filha (se soubesse não teria me casado).

 

Meu pai, para maior desgraça, era viúvo, enamorou-se e casou com a filha da minha mulher. Resultou daí que minha mulher se tornou sogra de seu sogro, minha enteada ficou sendo minha mãe, meu pai era ao mesmo tempo o meu genro.

 

E por algum tempo minha filha trouxe ao mundo um menino, que veio a ser meu irmão.

 

Com o decorrer do tempo minha mulher também deu a luz a um menino que, como irmão de minha mãe, era cunhado de meu pai e tio do meu filho, passando minha mulher a ser nora da sua própria filha.

 

Eu, Senhor Delegado, fiquei sendo pai da minha mãe, tornando-me irmão do meu pai.

 

Minha mulher ficou sendo minha avó, já que é mãe da minha mãe e assim, acabei por ser avô de mim mesmo”.

O Delegado acabou de ler e se matou também!

WhatsAppFacebookTwitterPinterestGoogle+

1 Comentario »

  • a.maria disse:

    Quase morri de rir com esta carta.Que legal que vc tem senso de humor,senão se mataria também..quanto a poesia “o amor,a mentira…”que fique registrado que ,por enquanto ,é ,sem dúvida,a melhor.continue…

Deixe um comentário!

Faça seu comentário abaixo, ou um trackback do seu site. Você também pode se cadastrar nesses comentários via RSS.

Seja simpático. Permaneça no assunto. Não faça spam.

Você pode usar essas tags HTML:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

O Gravatar está ativado. Para ter sua imagem nos comentários, registre-se no Gravatar.